Laguna

Palco de eventos importantes da História do Brasil, cidade histórica e praiana, Laguna tem o melhor carnaval do sul do País.

Fundada em 20 de janeiro de 1876, guarda a festividade do padroeiro da cidade – Santo Antönio dos Anjos, no dia 13 de junho.

Laguna tem como base econômica a pesca nas lagoas e na costa atlântica, com alta produção de camarão e siri. O turismo também é grande fonte de renda, especialmente no verão, quando milhares de turistas invadem suas lindas praias.

Com 47 mil habitantes de origem açoriana, Laguna está a 120 Km de Florianõpolis pela BR 101, no sul do Estado e nas proximidades de Garopaba, Imbituba, Tubarão, Gravatal, Capivari de Baixo, Jaguaruna.

Seu clima Mesotérmico úmido, apresenta temperaturas entre 18ºC e 30ºC.

Laguna foi fundada em 1676 e é a terceira cidade mais antiga de Santa Catarina. Nessa época, ocupava todo o sul do Estado e servia como ponto de apoio para a Coroa Portuguesa colonizar as terras do sul do País e evitar que fossem ocupadas pela Espanha. A cidade foi palco de eventos importantes da História do Brasil, como a Guerra dos Farrapos e a fundação da República Juliana – Estado independente do Império Brasileiro, aliado à República de Piratini, localizada no Rio Grande do Sul e que também se havia declarado independente do restante do País. Laguna guarda em suas ruas estreitas e em seu casario, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, as lembranças de um passado glorioso de luta e de coragem. É a terra de Anita Garibaldi, a “heroína de dois mundos”, que ficou famosa por combater ao lado do marido, o italiano Giuseppe Garibaldi, em diversas revoluções, no Brasil e na Itália. Ele esteve à frente da Guerra dos Farrapos e do movimento de unificação da Itália.

Tavares

Tavares está situada na península que separa as águas do Oceano das águas da Lagoa dos Patos (ou Laguna).

Tavares tem uma população de menos de 6 mil habitantes, altitude de 15 m e está a 217 Km de Porto Alegre pela BR 101.

Tavares teve início de sua povoação com a chegada do Brigadeiro José da Silva Paes, em 1737, quando fundou o Forte Jesus Maria José no lado sul da Barra do Canal do Rio Grande. Sua origem, por volta de 1760, está na colonização dos casais de açorianos, que dedicaram-se ao cultivo de trigo e centeio, assim como à caça e pesca.

Localizado na orla da Laguna dos Patos, o município de Tavares apresenta faróis de auxílio à navegação, lagos e capões, espécies de pequenas matas geralmente nas recostas, como atrativos naturais.

Atrativos Turísticos de Pinheiro Machado

Pedra de Torrinhas

Formação rochosa que se destaca pela altura e forma de cogumelo. A 70 Km da sede.
Fone 53 32481133.

Granisul Pedreira

Pedreira onde são extraídas as pedras de granito que são exportadas para Itália e Japão, em blocos de 4/5 toneladas.

Vinhedos San Felício

Distante 3 Km da sede pela BR 293.
Fone 53 9972 3615.

B.A.T Vinhas e Vinhos

Visitação aos vinhedos.
Fone 53 9964 8814.

Estância Casa Branca

Com funcionamento permanente e tendo como atividade principal a pecuária, a Estância oferece passeio a cavalo e de charrete, alimentação completa, sala de eventos para 45 pessoas, participação na lida, trilha ecológica, rio para banho, comercialização de produtos coloniais e artesanato, sala de estar com lareira, churrasqueiras e camping. Casa edificada em 1830.
Passo dos Pires, 1º Distrito, distante 11 km da sede municipal por estrada de terra.
Fone 53 9151 0421.
E-mail: casabranca@casabranca-rs.com.br


Pinheiro Machado

Pinheiro Machado está no sul do Estado, próximo a Pelotas. Tem uma população de 14 mil habitantes e está a 354 Km de Porto Alegre.

O município de Pinheiro Machado tem sua criação montada em torno da história de um tropeiro que, ficando cego, fez uma promessa de construir uma igreja caso viesse a se curar lavando seus olhos com a água das cacimbinhas existentes na localidade.

Curando-se, ele construiu a Igreja Nossa Senhora da Luz. Pinheiro Machado é um município de vocação primária (agricultura e pecuária), evoluindo sua matriz produtiva para vitivinicultura e floricultura, florestamento e, nas últimas décadas, vitivinicultura.

Alegrete

Alegrete tem 87 mil habitantes, está a 96 m de altitude e 497 Km de Porto Alegre.

As origens de Alegrete datam de 1626 e são originárias das Missões Jesuítas espanholas. O padre Roque Gonzalez foi o primeiro a desbravar suas terras, entrando na região pelo rio Ibicuí com o firme propósito de aumentar as reduções no sul do país.

Porém, foi em 1801, que Borges do Canto e Santos Pedroso, ambos rio-grandeses, conquistaram o território para a Coroa Portuguesa. Alegrete, Uruguaiana, Itaqui e Quaraí pertenciam a Missão de Yapeju. Sua sede era a margem direita do Rio Uruguai.

Com a consquista desta região para o domínio português, muitos militares paulistas requereram direito à terra e, em 1812, foi semeada a primeira povoação, com o intuito de guardas e defender a fronteira brasileira dos constantes ataques uruguaios. Mas mesmo com coragem e lutas dos brasileiros, índios e portugueses, seguidores do general uruguaio José Artigas, invadiram e queimaram o lugarejo, onde é conhecido como Capela Queimada.

Com o crescente progresso da freguesia, através de Decreto de outubro de 1831, foi elevada a categoria de Vila, demarcando seus limites e ganhando autonomia política.

Com a eclosão da Revolução Farroupilha, em 1835, Alegrete torna-se no período de 1842-1845, a terceira capital da república sul-rio-grandense, e em 1857 é elevada a cidade.

Alegrete é cantada em músicas tradicionalistas e uma delas parece tocar a alma dos Gaúchos como se esta fosse um hino ao próprio estado. Inicia a canção: “Não me perguntes onde fica o Alegrete / segue o rumo do teu próprio coração… ” Antônio Fagundes