Atrativos Turísticos de Xaxim

Xaxim tem sua economia baseada na agropecuária e na agroindústria, possuindo cerca de 1.300 propriedades rurais, 95% das quais são minifúndios com menos de 50ha, onde predomina a diversificação de culturas.

A maioria da população de Xaxim reside na zona urbana, prestando serviço às agroindústrias, principalmente à empresa Chapecó, sediada na cidade.

Para evitar o êxodo rural, a Secretaria de Agricultura de Xaxim desenvolve vários programas, entre eles projetos de reflorestamento, piscicultura, produção leiteira e de correção do solo. A prefeitura também se responsabilizou pelo trabalho de terraplanagem para a construção de aviários e abertura de estradas, como forma de incentivar a atividade agropecuária.

Orgulho da cidade é a Sociedade Ecológica e do Meio Ambiente de Xaxim – Semax, organização não governamental ambientalista e sem fins lucrativos fundada em maio de 1988 e que tem como objetivo a defesa do meio ambiente, promovendo atividades de preservação e recuperação dos recursos naturais. Criada e administrada por moradores do município, a Semax tem se destacado como uma das entidades ecológicas mais atuantes do Estado, integrando a rede de ONGs do Mercosul.

Praça Frei Bruno, Gruta Linha Colorado (Nossa Senhora da Salete) e cachoeiras de Linha Cachoeirinha e Linha Rodeio.


Xaxim

Fundada em dezembro de 1953, Xaxim é destaque na exportação de aves no Brasil, o município também preserva e recupera seus recursos naturais.

Com economia baseada na agropecuária e agroindústria, Xaxim tem 23 mil habitantes com predominância das etnias italiana, alemã e polonesa na formação da população.

Localizada no Oeste, na microrregião de Xanxerê, a 789 m de altitude e 556km de Florianópolis. Xaxim está próxima de Xanxerê e Chapecó.

Antes habitada por índios e caboclos, a região de Xaxim começou a ser colonizada em 1920, com a chegada de imigrantes italianos oriundos do Rio Grande do Sul. Atraídos pelas terras férteis e próprias para a agricultura, as famílias Lunardi e Camargo deram início ao povoado, com a construção de pequenas casas e de uma capela.

Mais tarde, chegaram imigrantes alemães e alguns poloneses. Xaxim, na língua indígena, significa pequena queda d`água e os imigrantes escolheram esse nome devido às pequenas cachoeiras do lugar.

Atrativos Turísticos de Xanxerê

Um dos municípios mais desenvolvidos do Oeste catarinense e o segundo maior produtor de gado de corte do Estado, Xanxerê atrai os visitantes com cascatas escondidas no meio da mata, com a cultura indígena e com a abundância de recursos naturais.

Visite o Posto Indígena Xapecó, uma reserva indígena e florestal habitada por índios kaingangs, guaranis e xoklengs – eles confeccionam arcos, flechas, cestas e balaios, que vendem no local.

Outros destaques são o Museu de Entomologia e a Casa da Cultura Maria Rosa.

Não deixe de conhecer as três cascatas do Rio Chapecozinho, na divisa do município com a reserva indígena. Apesar das corredeiras, o rio permite a travessia a pé, por ter o fundo lajeado.

Vá também à Ilha do Rio Chapecozinho, situada antes das cascatas, e à Cascata Santa Manella, um conjunto de três saltos com grande volume de água, em meio à mata preservada – ali existe área para camping com churrasqueiras, restaurantes, mesas, campos de futebol e sanitários.

Visite o Parque das Cascatas do Rio Chapecozinho. Acessíveis por estradas rústicas, escondidas no meio da mata, as cascatas encantam os turistas. Durante o verão, mais de 1.000 famílias de toda a região acampam à margem do rio.


Xanxerê

Xanxerê tem cascatas em meio à mata fechada e preservada e a cultura indígena como os maiores atrativos.

A cidade de Xanxerê foi fundada em fevereiro de 1954, está localizada no Oeste de Santa Catarina, a 800m acima do nível do mare 516km de Florianópolis.

Xanxerê tem sua base econômica na agricultura e pecuária. Com uma população de 40 mil habitantes de origens italiana, alemã e kaingang, está próxima de Chapecó e Xaxim.

Xanxerê era habitada por índios guaranis e kaingangs até o início do Século XX, quando alguns fazendeiros estabeleceram-se na região, iniciando o ciclo da madeira e a criação de gado. Tempos depois, o deslocamento de imigrantes do Rio Grande do Sul trouxe descendentes de italianos e de alemães para a cidade, que pertenceu a uma área disputada por Brasil e Argentina.

Atrativos Turísticos de União da Vitória

Cachoeiras

A região de União da Vitória, devido a sua geografia acidentada, generosa em rios e montanhas favorece a formação de belas cachoeiras. São dezenas de quedas d`água e corredeiras com altura variando entre 10 a 60 metros, entre as quais destacam-se: Cachoeira do Abarrancamento, Cachoeira Barra do Palmital, Cachoeira das Bromélias, Cachoeira Campo Alto, Cachoeira Cintura de Noiva, Cachoeira do Guabiroba, Cachoeira Guaraipos, Cachoeira do Jurasek, Cachoeira do Kuroski, Cachoeira do Rio Verde I e II, Cachoeira do Tigre, Cachoeira da Usina, Cachoeira Salto do Vau, todas alternando de acessível a razoável grau de dificuldade em atingí-las, o que as caracterizam como locais próprios para os aficionados do turismo de aventura. Informações Tel. (0xx42) 3523-1413.


Catedral Sagrado Coração de Jesus

Tem significado histórico-político, foi construída pelo Governo, a título de indenização pela perda de parte do território do município para o Estado de Santa Catarina. Tel. (0xx42) 3522-1091. Localiza-se na Praça Coronel Amazonas.

Matriz São Basílio Magno

Primeira Igreja de rito ucraniano Católico, construída em 1902, possui arquitetura que conjuga os estilos Bizantino e Moderno. No seu interior, figuras sacras, pintadas a óleo. No altar há uma replica da igreja em madeira, mantendo viva a tradição arquitetônica da Europa Oriental. Tel. (0xx42) 3522-3937. Localiza-se na Rua Marechal Deodoro, 1065.

Mural Caminho das Tropas

O monumento foi elaborado por ocasião do Centenário da Cidade, em 1990, confeccionado em azulejo pintado, numa homenagem aos tropeiros que através da travessia do vau do Iguaçu deram origem ao povoado o caminho das tropas de gado. Localiza-se na Praça Coronel Amazonas.

Monumento ao Centenário

Inaugurado em março de 1990, o monumento idealizado em concreto, com doze metros de altura, representa o vau do Iguaçu e a principal riqueza econômica da região: o Pinheiro. Obra do artista união vitoriense, Ivahy Detlev Will. Localiza-se na entrada da cidade.

Morro do Cristo

Localizado no ponto culminante de um dos mais altos morros que cercam o município, a 928 m acima do nível do mar, a estátua do Sagrado Coração de Jesus, Padroeiro do Município, inaugurada em 1968. Atingida por uma escadaria de 219 degraus, com 27 m de altura, fixada em um pedestal de 6 m, todo em concreto, oferece uma magnífica vista das “cidades gêmeas” do Iguaçu que se espraia por entre montanhas, compondo a paisagem típica desta região do Paraná e Santa Catarina.

União da Vitória

União da Vitória

Estação Ferroviária

Considerada uma obra artística de arquitetura, constitui-se de dois corpos iguais, um em União da Vitória e outro em Porto União, ligados de modo a formar uma grande abóbada em arco. Foi construída em 1942 para servir dois Estados, Paraná e Santa Catarina.

Maria Fumaça

Construída em 1913, nos Estados Unidos, a Maria Fumaça serviu à Rede Viação Paraná Santa Catarina. Doada à cidade em 1973, a Maria Fumaça é mantida como um monumento, na Praça Visconde de Nácar, símbolo marcante da era ferroviária.

Ponte Manoel Ribas

Construída sobre o rio Iguaçu, no final da Avenida Manoel Ribas, a Ponte inaugurada em 1944, é a primeira ponte rodoviária da cidade. Também conhecida como Ponte Nova ou Ponte dos Arcos.

Praça Coronel Amazonas

É a principal praça da cidade, onde foram construídos os primeiros prédios: o Palácio Municipal, a Igreja Matriz e o Grupo Escolar, encontra-se o busto que homenageia o fundador Coronel Amazonas Araújo Marcondes. Ali se encontra o Cristo que homenageia o grande colonizador Coronel Amazonas.

União da Vitória

União da Vitória

União da Vitória

União da Vitória é um município do estado do Paraná, com população de aproximadamente 71 mil habitantes.

Esta cidade é dona de muitas lendas, muitas com origem na Guerra do Contestado. Uma das mais famosas é a do profeta João Maria que preconizou as enchentes que assolam a cidade.

União da Vitória tem uma das melhores qualidades de vida do Estado, com um alto IDH e 95% da população é alfabetizada. Também com percentual de 95%, está a situação de domicílios com água, esgoto sanitário e coleta de lixo. No setor educacional, a cidade também tem destaque. Abriga o Centro Universitário UNIUV, e as Faculdades Uniguaçu, FAFI-PR e UNC, que disponibilizam diversos cursos, abrangendo toda a região sul do Paraná e norte de Santa Catarina.

Além do destaque na parte social, União da Vitória é uma boa opção de ecoturismo, turismo rural, contando com a rota das cachoeiras e outras opções de lazer e entretenimento. Os principais pontos turísticos são as Cachoeiras do Córrego Jacu, Cachoeiras do Rio Palmital, Ponto dos Arcos, Parque Ambiental Ari Queiroz e o Morro do Cristo.

União da Vitóra tem vida integrada com sua cidade irmã, Porto União, que fica no lado de Santa Catarina.

Entre os importantes eventos da cidade, estão a Festa da Uva; Festa das Etnias; Festival de Danças Folclóricas; Feira Regional da Indústria, Comércio e Serviços Públicos; Feira de Sabores e Maratona Fotográfica.

Atrativos Turísticos de Itapiranga

Oktoberfest

Durante a festa a população de Itapiranga triplica. Em outubro, por certo!

Museu Comunitário

Marco divisório entre Brasil e Argentina

Sociedade Kolpilg


Itapiranga

A Oktoberfest é a principal atração de Itapiranga, que tem sua população triplicada no mês de outubro.

Itapiranga foi fundada em dezembro de 1953. A cidade de colonização alemã, conta hoje com 14 mil habitantes e sua base econômica é a agropecuária.

Localizada no Extremo oeste do Estado de Santa Catarina,Itapiranga está a 870km de Florianópolis e 206 m de nível do mar.

Itapiranga nasceu da idéia dos dirigentes da Sociedade União Popular, do Rio Grande do Sul, de criar um núcleo de colonização para germânicos católicos na década de 1920. Depois de percorrer 150km em embarcações rústicas, navegando pelos rios da Várzea e Uruguai, os desbravadores, chefiados pelo missionário padre Max Von Lassberg, chegaram a Porto Novo, que em 10 de abril de 1926 se transformaria em Itapiranga. Pedra vermelha, em tupi-guarani.

Concórdia

Na Rota das Águas do Alto Uruguai, a cidade de Concórdia aproveita o lago da Hidrelétrica de Itá para consolidar-se como um dos principais pólos turísticos do oeste.

Concórdia foi fundada em julho de 1934 com base de colonização italiana, alemã, polonesa e cabocla. Tem hoje cerca de 55 mil habitantes e sua base econômica está na agropecuária.

Está localizada Meio-oeste do Estado, a 480km de Florianópolis, 569 m de altitude e nas proximidades de Concórdia temos Seara, Arabutã, Peritiba, Irani e Piratuba.

Com a abertura da estrada-de-ferro entre o Rio Grande do Sul e São Paulo, muitos imigrantes italianos e alemães saíram do Rio Grande do Sul e subiram ao longo da ferrovia, em busca de novas terras.

Chegaram à região de Concórdia em 1912, fundando uma pequena vila, que se tornou independente em 1934, depois de desmembrar-se de Joaçaba. Hoje, a cidade é considerada um dos lugares com melhor qualidade de vida no Estado de Santa Catarina.

Atrativos Turísticos de Chapecó

CTGs

Em Chapecó são preservados os costumes gaúchos em vários Centros de Tradições Gaúchas.

Monumento ao Desbravador e Museu Paulo de Siqueira

No centro da cidade. O monumento representa a figura de um gaúcho empunhando um machado, símbolo do trabalho e da luta para subjugar o meio hostil. A obra é um cartão-postal e ponto de referência na cidade.

Catedral Santo Antônio

Inaugurada em 1956.

Museu Tropeiro Velho

Com mais de 1.000 artigos, entre peles, ossadas, ferramentas e armas abandonadas por bandidos e soldados da Guerra do Contestado e da Revolução Farroupilha.


Museu Municipal Antônio Selistre de Campos

Com seu importante acervo de arqueologia, arte e costumes dos indígenas e colonizadores, além de fotografias históricas de Chapecó.

Reserva Indígena Ximbangue

A 10km do centro, vale a visita para conhecer os usos e costumes dos primeiros habitantes da região, com exposição e venda de artesanato dos índios.

Grutas e Sítios Arqueológicos

Revelam os mistérios das antigas civilizações indígenas. Cachoeira Alto Capinzal, Cascata e gruta da Sede Trentin

Floresta Nacional de Chapecó/Gleba

Com 3.120.000m2 de mata nativa, duas cachoeiras, um riacho com águas limpas e fauna diversificada.

Eventos

Romaria de Frei Bruno

Feira do Gado em Geral

em abril

Campeonato Catarinense de Automobilismo

Promoção do Automóvel Clube de Chapecó, em maio e outubro

Festa do Frango e do Peru

Promoção do Lions Club de Chapecó e da Sadia S/A, em agosto

Oktober e a EFAPI

Exposição-Feira Agropecuária, Comercial e Industrial, que recebe mais de 600.000 visitantes por ano, em outubro

Würstfest

Festa da Lingüiça, em novembro.

Rodeio Crioulo Interestadual, em novembro.

Chapecó

Chapecó é Pólo agroindustrial do sul do Brasil e centro econômico, político e cultural do oeste do Estado. A cidade goza de prestígio internacional pela exportação de produtos alimentícios industrializados de natureza animal.

A cidade foi fundada em Agosto de 1917, e hoje é considerada a Capital Latino-Americana de Produção de Aves e Centro Brasileiro de Pesquisas Agropecuárias.

Chapecó tem próximo de 156 mil habitantes de origens principais nas etnias italina, alemã e polonesa. Está no Oeste catarinense, a 670 m de nível do mar, a 630km de Florianópolis e próxima de Coronel Freitas, Nova Itaberaba, Cordilheira Alta, Itá, Seara, Arvoredo, Xaxim, Guatambu e Planalto Alegre.

O oeste catarinense era habitado apenas por índios até 1838, quando tropeiros paulistas e imigrantes italianos e alemães vindos do Rio Grande do Sul começaram a cruzar a região, rumo a São Paulo, para comercializar gado. A partir das paradas de tropeiros e com a vinda das companhias colonizadoras, iniciou-se o processo de migração de outros Estados, principalmente do Rio Grande do Sul.

O rápido e constante crescimento das agroindústrias ampliou o mercado de trabalho e transformou-se na base da economia da cidade, juntamente com a agricultura. Mais tarde, o setor metal-mecânico surgiu como alternativa de desenvolvimento e vem se especializando na produção de equipamentos para frigoríficos.
Localizada em meio a um entroncamento de rodovias federais e estaduais, com acesso fácil aos países do Mercosul – a Argentina está a 160km -, Chapecó é um ponto estratégico para negócios transfronteiras no sul do Brasil.

A rede hoteleira de Chapecó totaliza 1.350 leitos, há boa infra-estrutura de serviços e equipamentos para grandes eventos.

Atrativos Turísticos de Águas de Chapecó

Águas de Chapecó

Águas de Chapecó foi fundada em dezembro de 1962, tendo o turismo em segundo lugar em sua matriz econômica.

Com 6500 habitantes das etnias alemã e italiana, Águas de Chapecó está a 665 Km de Florianópolis e 291 m de altitude. Tem Chapecó como polo regional, cidade de onde está a 47 Km.

Águas de Chapecó é uma pequena cidade e atraente estância hidromineral que compõe, junto com Chapecó, Vargeão e Nova Erechim, a Rota das Termas no oeste catarinense.

A água termal de Águas de Chapecó vem de um poço a temperatura média de 37º, e é classificada como “Água Mineral Termal Alcalina, Bicarbonatada e Sulfatada Sódica”, recomendada para tratamento de reumatismo, úlceras, hipertensão arterial, cálculos renais, eczemas e problemas digestivos.

Balneário de Águas de Chapecó

O complexo do balneário de Águas de Chapecó foi inaugurado em 1980, num ambiente natural, com duchas, banheiras de imersão, hidromassagem, barro medicinal, piscina semi-olímpica e chuveiros, além de bares, restaurantes e um bem-estruturado camping. A administradora do balneário, localizada às margens do rio Chapecó, de grande beleza natural, é um atrativo turístico à parte, oferecendo pescaria e passeios aquáticos.
Salto do rio Chapecó.

Vale visitar o Salto do rio Chapecó, com suas corredeiras de águas límpidas e cristalinas, em meio à mata nativa, e a foz do mesmo rio, no encontro com as águas do caudaloso Uruguai.