Minas Gerais

O estado de Minas Gerais foi um dos territórios mais explorados durante o império. De lá muita riqueza saiu do Brasil rumo à Europa.

Ainda hoje existem resquícios da Estrada Real, via por onde se escoava a extração de ouro de outros minérios valorizados pela coroa, indo em direção ao Porto de Paraty, para embarcarem rumo a Portugal.

Mas a extração mineral do solo das Gerais não levou a verdadeira riqueza deste lugar. O humano que lá habita, a cultura que resistiu, a mescla humana que se formou, é a riqueza maior de Minas.

Hoje um dos estados mais ricos do Brasil, minas tem um clima montanhoso e com rios caudalosos, um clima constante de montanha com ares frios a gelados, conforme a época do ano. Aliás, creio que há a qui um engano, podemos em pleno verão no hemisfério sul, curtir um clima frio nas altas montanhas de Minas.

Alfenas

Araxá

Barbacena

Belo Horizonte

Cambuí

Congonhas

Extrema

Gonçalves

Mariana

Monte Verde

Ouro Preto

São João Del Rei

Tirandentes

Restaurantes em São João Del Rei

Velho Chico, bar & cozinha

Velho Chico, bar & cozinha

Fone: 32 3371 1767
E-mail: barvelhochico@gmail.com


Hotéis e Pousadas em São João Del Rei

Hotel Calcinfer

Localização central, a15 minutos do Aeroporto, junto à Rodoviária e próximo da Universidade Federal de São João Del Rei, Campus Dom Bosco.
Rua Sargento Orlando Randi, 22
Bairro Fábricas
Fone: 32 3372 8208
E-mail: hotelcalcinfer@mgconecta.com.br
http://www.calcinfer.com.br


Vereda Park Hotel

Localizado a apenas 1500 metros do centro histórico da cidade, em uma área alta da cidade e uma vista privilegiada. Ambiente tranquilo e aconchegante, com uma ampla e confortável sala de estar rodeado de árvores centenárias, com grande área verde e espaço para caminhadas.
Rua Padre Machado, 313
Bela Vista
Fone: 32 3371 4420
E-mail: contato@veredapark.com.br
http://www.veredapark.com.br

Atrativos Turísticos de São João Del Rei

Casa de Bárbara Heliadora

Sobrado colonial do final do século que 18 tem valor histórico por ter pertencido a Alvarenga Peixoto — poeta e participante da Inconfidência Mineira — e sua mulher Bárbara Heliodora, ambos nascidos na cidade.
A casa foi adquirida pela prefeitura, que ali instalou o Museu de São João del Rei e a Biblioteca Municipal. O acervo do museu compõe-se de telas, fotos, utensílios domésticos de época e imagens. Entre as peças, destaca-se o Braço da Justiça,
vindo de Portugal. Na peça, uma mão pende a balança da arrecadação do dízimo de ouro.
Praça Frei Orlando


Igreja Nossa Senhora do Rosário

Com obras iniciadas em 1708, a igreja de Nossa Senhora do Rosário é uma das construções mais antigas da cidade e iniciativa da associação denominada Irmandade do Rosário. Naquela época, o povoado ainda não havia sido elevado à condição de vila e atraía um número cada vez mais crescente de mineradores e comerciantes, interessados em explorar a riqueza do ouro, descoberto poucos anos antes na região. A conclusão do templo se deu em 1719, tendo recebido acréscimos e remodelações em 1753, quando ganhou a dimensão atual

São João Del Rei

A história do município de São João del Rei, em Minas Gerais, está associada à descoberta do ouro na região, no começo do século 18. Da riqueza do período colonial, a cidade preservou um magnífico acervo arquitetônico e cultural, representado, entre outros exemplos, pelas igrejas de São Francisco de Assis, Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Nossa Senhora do Rosário, pela ponte da Cadeia e a Casa de Bárbara Heliodora.

Além do núcleo histórico preservado, outras atrações turísticas são o Museu Regional e o Complexo Ferroviário, construído em 1878 e fundamental para o progresso da cidade. Os visitantes também se impressionam com o badalar freqüente dos sinos das igrejas, emitindo uma música característica para fatos do cotidiano cidade, como uma missa, uma morte ou solenidade. Por este motivo, a cidade ganhou o título informal de “Terra onde os sinos falam”.

São João del Rei é a terra natal de Tancredo Neves (1910—1985), presidente da República eleito em 1985, governador de Minas Gerais (1983—1984), ministro da Justiça na segunda gestão do presidente Getúlio Vargas (1953—1954), primeiro-ministro no curto período parlamentarista brasileiro (1961), deputado e senador. Seu corpo foi sepultado no cemitério da Ordem Terceira de São Francisco, que fica na igreja de São Francisco de Assis.

De acordo com a Enciclopédia dos Municípios Brasileiros do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os primeiros povoadores da região foram paulistas, procedentes da cidade de Taubaté. Entre eles, estava Tomé Portes del Rei, que se fixou às margens do rio das Mortes, localidade a que chamavam de Porto Real da Passagem. A ele se atribui a descoberta do ouro, em 1792. Ali, formou-se o primeiro arraial.

Em 1704, novas descobertas de ouro atraíram levas de mineradores, fazendo surgir um novo aglomerado, que deu origem à futura São João del Rei. Os paulistas ergueram no local a primeira capela, consagrada a Nossa Senhora do Pilar. Escolhido quando o povoado se tornou vila em 1713, o nome de São João del Rei prestava uma homenagem ao rei D. João 5º, de Portugal.

As disputas pelo direito de explorar o ouro chegaram ao ponto máximo nos sangrentos episódios da Guerra dos Emboabas, de 1707 a 1709. O conflito armado se deu em várias localidades de mineração, entre elas a futura São João del Rei. Enfrentaram-se paulistas, de um lado, e, de outro, os mineradores e comerciantes vindos de outras capitanias e de Portugal, que receberam o nome pejorativo de emboabas, alusão ao fato de usarem botas.

Na antiga área geográfica do município de São João del Rei fica a fazenda do Pombal, onde nasceu o alferes Joaquim José da Silva Xavier (1746—1792), o Tiradentes, líder da Inconfidência Mineira, o movimento rebelde contra a dominação da Coroa portuguesa. Com o desmembramento em 1962, a fazenda passou à jurisdição do município de Ritápolis. Em 1789, São João del Rei foi cogitada para ser capital de Minas pelos inconfidentes.

O tombamento do acervo arquitetônico e paisagístico da cidade se deu em 1938 e 1947. O núcleo histórico preservado constituía, na época, a área mais íntegra. O conjunto de bens imóveis tombados totalizava mais de 700, com prédios, igrejas capelas, pontes, chafariz e o Complexo Ferroviário.

A cidade, localizada na região Central de Minas, tem cerca de 83 mil habitantes, segundo estimativas para 2006. O clima é ameno e apresenta temperatura média de 19º C. Principais distâncias: Belo Horizonte (185 km), Tiradentes (14 km), São Paulo (480 km), Rio de Janeiro (330 km) e Brasília (930 km).

Fontes: Francisco Iglésias (in São João Del Rei na História de Minas e do Brasil, Editora Expressão e Cultura, Rio de Janeiro, 1986); Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (IBGE, 1959); Atlas dos Monumentos Históricos e Artísticos de Minas Gerais. Circuito do Ouro. Campos das Vertentes, vol. 2 (Fundação João Pinheiro, 1981) e inventário do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Restaurantes em Tiradentes

Atrás da Matriz

R. Santíssima Trindade, 201, Santíssima Trindade
Telefone: 3355-2150
Email: atrasdamatriz@mgconecta.com.br
Site: www.tiradentesgerais.com.br/atrasdamatriz

Bar da Mercês

Trav. José Ferreira Barbosa, 307, Centro.
Telefone: 3355-1911

Casa de Chá Maria Luiza

Largo do Ó, 13 – Centro.
Telefone: 3355-1502


Celso

Largo das Forras, Centro.
Telefone: 3355-1193

Churrascaria Águas Santas

Av. Presidente Castelo Branco, 3361, Águas Santas.

Confeitaria Vovó e Cia

Largo das Forras, 78, Centro.
Telefone: 3355-1535
Email: vovo@mgconecta.com.br
Site: www.tiradentesgerais.com.br/vovoecia

Conto de Réis

Largo das Forras, 62, Centro.
Telefone: 3355-1790

Conto de Réis Steak House

Largo das Mercês, 49, Centro.
Telefone: 3355-1453

Dona Xepa

Rua Ministro Gabriel Passos, 26A, Centro.
Telefone: 3355-1767
Email: constance@mgconecta.com.br
Site: www.tiradentesgerais.com.br/donaxepa

Empório Santo Antônio

Rua Belica, 133, Parque das Abelhas.

Panela de Minas

R. Ministro Gabriel Passos, 23, Centro.
Telefone: 3355-1217

Pasta e Cia

R. Frederico Ozanan, 237, Centro.
Telefone: 3355-1478

Pau de Angu

Estrada para Bichinho, s/n.
Telefone: 9948-1692
Site: www.tiradentesgerais.com.br/paudeangu

Pizza Bar

Rua Vereador Antônio Hipólito do Nascimento, 177, Cascalho.
Telefone: 3355-1530

Pequi Roído

R. Direita, Centro.
Telefone: 3355-2774

Porta do Céu

R. Frei Veloso, 1002, Pau
Telefone: 3355-1771
Email: restportadoceu@hotmail.com

Quinta de Cabo Villa

R. Martins Paolucci, 20 A, Centro.
Telefone: 3355-1606

Sabor Rural

Estrada da Caixa D’água, km 2.
Telefone: 9934-4005

San Felice

Largo das Forras, 86, Centro.
Telefone: 3355-2340
Email: sanfelice@mgconecta.com.br
Site: www.tiradentesgerais.com.br/sanfelice

Sapore D’Italia

Largo das Mercês, 13, Centro.
Telefone: 3355-1846
Email:kman@city10.com.br
Site: http://tiradentesgerais.com.br/saporeditalia

Theatro da Villa

R. Padre Toledo, 157, Centro.
Telefone: 3355-1275
Email: theatrodavilla@mgconecta.com.br
Site: www.theatrodavilla.com.br

Trattoria Via Destra

R. Direita, 45, Centro.
Telefone: 3355-1906
Email: viadestratrat@mgconecta.com.br

Tiradentes

Povoada a partir de 1702, a cidade de Tiradentes, na região Central de Minas Gerais, homenageia em seu nome o alferes Joaquim José da Silva Xavier, conhecido pelo apelido de Tiradentes. O alferes nasceu na Fazenda do Pombal, entre Tiradentes e São João del Rei, e se tornaria o líder da Inconfidência Mineira, principal movimento de contestação à Coroa portuguesa, no século 18. Nas duas últimas décadas, a cidade se tornou um dos pontos turísticos mais requisitados no Estado, ao aliar a simplicidade e o colorido de suas casas coloniais à oferta de pousadas bem cuidadas, restaurantes requintados e a badalação social.

Poucas ruas formam a cidade de 6.500 moradores, entre eles, algumas centenas de profissionais das mais diversas áreas que optaram por dividir suas moradias entre o agitado eixo Rio—São Paulo—Belo Horizonte e o clima pacato nas montanhas, construindo casas na região. Artistas e artesãos também montaram ali seus ateliês. Tiradentes vive seu auge cultural com a Mostra de Cinema, em janeiro, e o Festival Internacional de Gastronomia, em agosto, duas boas opções do calendário nacional de eventos. Os passeios de charrete e a viagem no trem Maria Fumaça entre Tiradentes e São João del Rei estão entre os seus principais atrativos. A boa infra-estrutura da cidade garante conforto e segurança aos visitantes.

A Matriz de Santo Antônio, cuja fachada é de autoria do arquiteto e escultor Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, e o chafariz São José, são exemplos da bem-preservada herança colonial. Tiradentes tem sua história iniciada em 1702, quando os primeiros bandeirantes, chefiados por João Siqueira Afonso, após a descoberta de ouro num local chamado Ponta do Morro, se fixaram na região. Eles chegaram na seqüência dos mineradores que, no final do século 17, se estabeleceram na região que viria a ser conhecida como Ouro Preto.

Tiradentes foi cenário de fatos importantes da história nacional. Em 1708, a Guerra dos Emboabas, conflito entre paulistas donos de minas e portugueses e garimpeiros, chamados pejorativamente de emboabas, teve um dos seus capítulos mais violentos na Ponta do Morro. Mais tarde, em 1789, a conspiração dos inconfidentes teve ramificações na cidade, que foi residência do alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Devido à mudança da jurisdição da Fazenda do Pombal, distrito onde nasceu o alferes, a cidade de Tiradentes se considera hoje a terra natal do líder dos inconfidentes. Na época, Pombal fazia parte da vizinha São João del Rei.

Em 7 de setembro de 1889, a vila tornou-se cidade de São José, para em 6 de dezembro adotar o nome atual em homenagem ao mártir da Inconfidência. Atualmente, o dia da cidade é comemorado em 19 de janeiro, data em que o arraial da Ponta do Morro de Santo Antônio se tornou vila.

Tiradentes tem clima ameno e a temperatura média de 19º C. Principais distâncias: Belo Horizonte (210 km), São João del Rei (14 km), São Paulo (485 km), Rio de Janeiro (335 km) e Brasília (915 km).

Agências Turismo em Ouro Preto

TurismO Ouropreto.com

Fone: 31 91632238
E-mail: contato@turismoouropreto.com
http://www.turismoouropreto.com


Ouro Preto

Localizada na região Central de Minas Gerais, a cidade de Ouro Preto reúne o maior e mais importante acervo da arquitetura e da arte do período colonial de todo o Brasil. Em meio ao casario dos séculos 17 e 18, construído nas ladeiras de uma região montanhosa, erguem-se 13 igrejas monumentais, com altares banhados a ouro e imagens sacras, nos estilos barroco e rococó. Pelo seu porte e conservação, Ouro Preto foi uma das primeiras cidades escolhidas no mundo para ser Patrimônio da Humanidade, em 1980, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Sua origem data da última década do século 17, com a descoberta do ouro no leito de um córrego, fato que atraiu centenas de bandeirantes paulistas e fez a riqueza da região por quase um século. Na aparência, eram pedras de superfície escura; daí, o nome ouro preto. Depois de fundido, revelava-se o amarelo.

Batizou-se o povoamento de Vila Rica de Albuquerque, em 8 de julho de 1711, data oficial de sua fundação. A administração portuguesa reconheceu-a, no ano seguinte, com o nome simplificado de Vila Rica. Baseado na exploração do ouro, seu apogeu econômico deu-se no período de 1730 a 1765, quando se consolidou como um centro urbano com uma população estimada em 25 mil habitantes.

Para a história do Brasil, Ouro Preto apresenta grande relevância como palco da Inconfidência Mineira, o principal movimento de contestação à metrópole portuguesa, ocorrido em 1789. A traição de um de seus integrantes levou a Coroa a descobrir a conspiração em Vila Rica, reprimindo-a duramente. Considerado o principal líder insurgente, o alferes Joaquim José da Silva Xavier, apelidado de Tiradentes, acabou enforcado e esquartejado no Rio de Janeiro, em 21 de abril de 1792.

O motivo imediato da revolta era a cobrança de impostos atrasados, o quinto sobre toda a extração de ouro, tributo estabelecido pelo governo português. Entre os rebeldes, havia um grupo de intelectuais bem informados sobre as idéias difundidas por ocasião da independência das 13 colônias inglesas na América do Norte (1776) e nos antecedentes da Revolução Francesa (1789). Entre seus planos, estavam a separação de Portugal e a fundação de uma república no Brasil. À memória do movimento, é dedicado o imponente Museu da Inconfidência.

A riqueza da economia baseada na mineração de ouro em Vila Rica deixou um legado de grande valor para a cultura. Ali, projetaram-se dois dos maiores artistas do período colonial brasileiro: o arquiteto, escultor e entalhador Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, e o pintor Manuel da Costa Athaíde.

A arquitetura religiosa do período leva a marca da ostentação e do luxo, como pode ser observado nas igrejas de Nossa Senhora do Pilar, São Francisco de Assis, Nossa Senhora do Rosário e de Santa Efigênia. Uma das soluções originais deu-se com o largo emprego da pedra-sabão, abundante na região, como forma de substituir o mármore europeu. Os chafarizes de Marília e do largo de Frei Vicente Botelho acrescentam uma graça ainda mais especial ao tortuoso traçado urbano.

Vila Rica tornou-se a primeira capital de Minas Gerais, já em 1721. Mudou o nome para Ouro Preto, em 1823, e permaneceu como capital até 1897, quando a sede do Estado passou a ser Belo Horizonte. Em 1933, o então presidente da República, Getúlio Vargas, concedeu-lhe o título de Cidade Monumento.

Ouro Preto tem cerca de 69 mil habitantes, segundo estimativas em 2006. Principais distâncias: Belo Horizonte (95 km), Rio de Janeiro (475 km), São Paulo (675 km) e Brasília (840 km).

Fontes: Plano de Conservação, Valorização e Desenvolvimento de Ouro Preto e Mariana (Fundação João Pinheiro, 1973); Dicionário Histórico Brasil: Colônia e Império, de Angela Vianna Botelho e Liana Maria Reis (Editora Autêntica, 2001); Dicionário do Brasil Colonial 1500—1808, direção de Ronaldo Vainfas (Editora Objetiva, 2000); e Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (IBGE, 1959) Fonte

Hotéis e Pousadas em Monte Verde

Pousada Monte Verde – Ricanto Amore Mio

Fone: 035 3438-1296
E-mail: pousadaamoremio@micropic.com.br
http://www.ricantoamoremio.com.br


Monte Verde

Monte verde é distrito de Camanducaia/MG. Tem uma altitude média de 1.600 metros, encravada na Serra da Mantiqueira, bem junto à divisa do Estado de São Paulo com Minas Gerais. Sua população pioneira foi formada basicamente de letões, alemães, suíços e italianos.

No Inverno, sua temperatura cai facilmente a alguns graus negativos; a mais baixa temperatura registrada nos últimos 10 anos foi de oito graus negativos. A arquitetura, típica de montanha, é uma das atrações turísticas de Monte Verde, assim como a culinária e o artesanato oriundos da Europa.

Monte Verde fica a 160 km da cidade de São Paulo e a 508 de Belo Horizonte pela Rodovia Fernão Dias. O acesso é por Camanducaia/MG.

Monte Verde

Monte Verde - mapa região


A História

Os pioneiros de Monte Verde são Verner Grinberg e sua esposa dona Emília e o sobrenome da família deu o nome à cidade: “grin”, verde, e “berg”, monte. A família Grinberg chegou ao Brasil em 1.913, junto a outros tantos imigrantes da Letônia e foi morar em 1.921 na então recém-fundada Colônia Varpa, próxima à cidade de Paraguaçu Paulista e formada por seus patrícios letões. Lá, ao se casar com dona Emília Leismeir, resolve passar sua lua de mel em Campos do Jordão, região parecida com a sua terra natal; o jovem casal se empolga com o clima de montanha e com as paisagens da Serra da Mantiqueira.

Em 1.936, ouviu falar dos Campos do Jaguari, hoje Monte Verde, lugar de clima e paisagens semelhantes a Campos do Jordão. Imbuído de espírito empreendedor, sobe até o pé da Serra da Mantiqueira em lombo de burro, abrindo picada no meio do mato.

Em 1.938, ali adquire terras e inicia a formação de uma fazenda. Com o passar do tempo, muitos de seus amigos e conhecidos começaram a sentir atração pelo lugar. E aos amigos e parentes, geralmente europeus e adeptos de sua religião, a batista, cedia terreno para que construíssem casa e viessem morar na fazenda. Em 29 de novembro de 1.950, Verner vendeu os dois primeiros lotes de terreno e, em 10 de julho de 1.955, registrou o primeiro loteamento de parte da fazenda.

Os primeiros, que mais se interessaram, foram os europeus, que transformaram a antiga fazenda em vilarejo tipicamente alpino. Fonte

Mariana

Mariana é a primeira cidade de Minas Gerais e foi criada no período colonial, por efeito das expedições bandeirantes no século 17, em busca de ouro e pedras preciosas. Localizada na região Central do Estado, sua ocupação começou em 16 de julho de 1696, quando as bandeiras de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça e Miguel Garcia chegaram ao ribeirão do Carmo. O nome foi escolhido para homenagear aquela data que, na tradição católica, é dedicada à Nossa Senhora do Carmo. Ao realizar a primeira missa, no mesmo dia de chegada, fundou-se o arraial, batizado de Nossa Senhora do Carmo, iniciando-se também a construção de uma capela.

A área era rica em ouro, que surgia no leito do ribeirão, nas encostas e nos morros. Mariana possuía valor estratégico para a Coroa, tanto que recebeu este nome em deferência a D. Maria Ana D’Áustria, mulher de D. João 5º, rei de Portugal. Além de primeira cidade, ocupa a posição de primeira capital e primeira sede do bispado em Minas Gerais. Sua forte tradição religiosa, mantida através dos séculos, vem desde seu início e passa pela fundação do Seminário Menor. Com sua bela capela, obra iniciada em 1750 e concluída entre 1780 e 1790, o seminário se constitui no primeiro centro educacional de Minas, de onde saíram várias personalidades, não só na religião, mas nas letras, na magistratura e na política.

Já em 1743, o governo português enviou o engenheiro militar José Fernandes Alpoim para desenhar a planta da cidade, o que a transformou na primeira localidade de Minas Gerais a ter um planejamento urbano. Seu desenho urbano é formado por uma sucessão de praças, igrejas e capelas, que revelam aspectos característicos do barroco, estilo dominado por curvas, visão em profundidade e gosto pelos contrastes claro e escuro. Essa arquitetura está representada na praça Minas Gerais, onde ficam as igrejas de São Francisco de Assis e de Nossa Senhora do Carmo, uma ao lado da outra, fato raro na história das construções religiosas.

Um dos atrativos da cidade é o órgão Arp Schnitger, que está na Catedral de Nossa Senhora de Assunção. Construído em 1701, na Alemanha, o instrumento chegou a Mariana em 1753, como presente da Coroa portuguesa. Hoje, é o único exemplar, dos 30 Schnitger que ainda existem no mundo, que está fora da Europa.

A cidade é a terra natal de pessoas importantes para a história de Minas Gerais. Lá, nasceram, por exemplo, Cláudio Manuel da Costa, poeta e um dos líderes da Inconfidência Mineira, o mais importante movimento de rebeldia contra a Coroa portuguesa, ocorrido em 1789, e Manuel da Costa Athaíde, principal pintor do período colonial, autor de painéis da igreja de São Francisco de Assis, local onde está enterrado. Em 1945, o presidente Getúlio Vargas concedeu a Mariana o título de Cidade Monumento.

Mariana tem cerca de 53 mil habitantes, segundo estimativas de 2006. A temperatura é amena, com média de 21º C. Principais distâncias: Belo Horizonte (115 km), Ouro Preto (12 km), São Paulo (685 km), Rio de Janeiro (485 km) e Brasília (832 km).

Fontes: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (IBGE, 1959), Guia dos Bens Tombados: Minas Gerais (Wladimir Alves de Souza, Editora Expressão e Cultura, Rio de Janeiro, 1984), Mariana – Primeira Capital de Minas Gerais (João Orestes , Editora do Autor, 2005) e Prefeitura de Mariana.

Agências de Turismo em Extrema

Eckos Turismo

Empresa de Turismo e consultoria que oferece passeios em Extrema e cidades próximas.
Rua Capitão Germano, 372
Fone: 35 3435 2593
E-mail: contato@eckosturismo.com.br
http://www.eckosturismo.com.br


Hotéis e Pousadas em Extrema

Hotel Fazenda das Amoreiras
O contato direto com a natureza é um dos privilégios de se hospedar no Hotel Fazenda das Amoreiras. Paisagens de tirar o fôlego e muito ar puro em meio aos bosques, praças, pomares, lagos, e na belíssima cachoeira do Rio Jaguari. E ainda com maravilhosa vista para a Serra da Mantiqueira
Fone: 35 3435 4000
E-mail: hotelamoreiras@hotelamoreiras.com.br
http://www.hotelfazendadasamoreiras.com.br

Hotel Dias

Rodovia Fernão dias km 939 – Entrada para estrada de Toledo
Fone: 35 3435 4858
E-mail: hoteldiasextrema@hotmail.com
www.hoteldiasextrema.com.br


Pousada Lago Dourado
Nossa família espera hospedar a sua!
Estrada do Barreiro – Bairro Rodeio
Fone: 35 3435 6656
E-mail: pousadalagodourado@plugx.com.br
http://www.pousadalagodourado.com.br

Pousada Mirante de Minas
Com uma linda vista e clima de montanha,é o lugar ideal para quem busca tranquilidade e harmonia com a natureza.
ESPORTES RADICAIS: Temos parcerias para quem busca adrenalina com esportes radicais, como: Rafting, Parapente, Rappel, Trekking, Cavalgada,
Bóia-Cross.
Fone: 35-8426 0732 / 11-7124 3673
E-mail: mirantedeminas@mirantedeminas.com.br
http://www.mirantedeminas.com.br

Atrativos Turísticos de Extrema

Pedra do Cume

Ponto mais alto da Serra do Lopo a 1.780m de altitude. O acesso só pode ser feito por trilha. Oferece uma vista linda e abrangente.
Observando-se a montanha, do pé da Serra do Lopo, vê-se claramente a forma de um gigante deitado.
Este local tão especial fica localizado na cabeça do gigante, exatamente no ponto em que forma a sua testa entre as sobrancelhas. Considerado por grupos esotéricos, local de grande concentração de energia cósmica e telúrica.

Pedra do Altar

Lindo local composto por um jardim natural com estilo oriental onde uma pedra em disposição estratégica lembra um altar. Nesta pedra relata-se contatos com extra-terrestres.


Mirante da Caixa d`Água

Antigo reservatório de água do município, o local foi restaurado e preservado para visitação.
Partindo do Mirante da Caixa D’água, avista-se belíssima paisagem passando por lindas pedras (Pedra Santa Rita, Pedra Mesa e Pedra Sapo) e por refrescantes nascentes d’água (Bicão 1 e Bicão 2). Esta trilha leva ao topo da Serra do Lopo, onde se encontra a belíssima Pedra Sacerdotisa, que possibilita uma ampla visão da paisagem local. Inesquecível Alguns grupos esotéricos visitam este local para observação de OVNIs. Faz parte da trilha da Pedra Sapo.

Parque Ecológico Pico dos Cabritos

O Parque Ecológico Pico dos Cabritos, está sendo implementado na cidade de Extrema- MG, em uma propriedade particular rural de 29 hectares aonde está localizada a pedra denominada Pico dos Cabritos a 1.470 metros de altitude,O local oferece uma rampa natural para a prática de Vôo Livre, além de trilhas de acesso à Pedra Sacerdotisa e outras. Existem pontos para descida de Rappel.

Rafting no Rio Jaguari

O Rio Jaguari é considerado um dos melhores para a prática do Rafting no Brasil. Na temporada, que vai de dezembro a maio, atinge níveis IV e V. É praticado em trecho do Rio Jaguari que está localizado entre os municípios de Camanducaia e Extrema.

Casa Ain Karim

Um lugar cercado por verde, está uma casa simples e harmoniosa a espiritualidade está viva através de elementos diversos que a compõem, com um jardim paisagístico onde você é recebido com a melhor fraternidade cristã.
Passe algumas horas em um ambiente rural, conhecendo a Casa Ain Karim que significa “fonte de vida” (convento do Padre Antônio Maria), e saboreie um almoço preparado e servido pelas irmãs, sendo necessário agendar com um dia de antecedência.

Cachaçaria J.J. Carvalho

Alambique situado no bairro do Salto do Meio destilando desde 1999. O processo todo da produção da cachaça é artesanal desde o corte da cana até o produto final, você pode encontrar uma variedade de cachaça como:Cachaças Branca, amarela armazenada em tonel de Carvalho, Cachaças Doces de Banana, Abacaxi, Morango, Coco, Canela, Cravo e a novidade Meladinha que é cachaça com melado de cana. As cachaças de frutas são feitas com as próprias frutas.
Tel.: : (35) 9931-9705/9114-0776
cachacajjcarvalho@yahoo.com.br
www.cachacajjcarvalho.com.br