Pontal do Paraná

A história política de Pontal do Paraná inicia-se por volta de 1983, quando começaram as primeiras movimentações para a criação de um novo município, com sede na área compreendida entre os balneários de Pontal do Sul e Monções.

Em 1995 houve uma grande manifestação popular, visando a emancipação daquele que viria a denominar-se Pontal do Paraná. Desmembrado de Paranaguá, foi criado pela Lei nº 11.252 de 20 de dezembro de 1995 e implantado em 01 de janeiro de 1997.

Distante 97 km de Curitiba.

Atrativos Turísticos de Pontal do Paraná

Pontal do Paraná é um dos municípios litorâneos de maior fluxo de turistas, possui 48 balneários com destaque para:

Pontal do Sul que abriga o Centro de Estudos do Mar – UFPR (Universidade Federal do Paraná) que desenvolve pesquisas avançadas sobre as potencialidades do litoral paranaense, além de ser o principal terminal de embarque para Ilha do Mel;

Praia de Leste cujo destaque é o calçadão;

Shangri-lá com ondas que propiciam a prática de surfe;

Ipanema, o mais movimentado balneário durante a temporada oferece várias opções noturnas de lazer;

Ilha Galheta onde é praticada a pesca amadora.

Matinhos

A colonização de Matinhos começou em meados de século XIX, quando os índios carijós habitavam o litoral paranaense, descoberto em 1820 pelo francês Augusto de Saint’Hilaire. Sua primeira denominação foi Matinho, nome de um rio existente no município, e seus colonizadores iniciais foram os portugueses e italianos, que fundaram colônias agrícolas.

Em 1927, foi inaugurada a Estrada do Mar, ligando Paranaguá a Praia de Leste, que trouxe diversas famílias, em sua maioria alemãs, fixadas em Matinhos, entre elas a de Augusto Blitzkow, responsável por um plano de urbanização para Caiobá. Em agosto de 1931, a região recebeu a visita do Presidente do Paraná, Carlos Cavalcanti, que foi de Paranaguá a Caiobá de carroça pela praia.

Em 27 de janeiro de 1951, de acordo com a Lei nº 613, Matinhos foi elevada à categoria de Distrito pertencente à Paranaguá, e à categoria de Município, a 12 de outubro de 1967, desmembrando-se de Paranaguá.

Distante 111 km de Curitiba

Ilha do Mel

No século XVIII, a ilha do Mel era considerado ponto estratégico na defesa do Porto D. Pedro II, na baía da então Província de Paranaguá. Por ordem de D. José I, rei de Portugal, em 1767 foi construída ao norte da ilha a Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres, ou Fortaleza da Barra. O objetivo era garantir a segurança do porto, 15 milhas adiante, onde era embarcado o ouro, a madeira e, mais tarde, a erva-mate, extraídos das terras do continente.

Os canhões da Fortaleza, apontados para o canal de entrada do porto, cuspiram fogo em 1850, quando o vapor de guerra inglês “Cormorant” cercou e aprisionou três naus nacionais carregadas de escravos. A batalha ficou conhecida como “Combate Cormorant”.

Daquele tempo restaram apenas as ruínas, hoje tombadas e preservadas pelo Patrimônio Histórico. Calados, os canhões ainda apontam para o horizonte do alto das muralhas, no mirante do morro coberto pela vegetação de Mata Atlântica.

Atrativos Turísticos de Paranaguá

Estação Ferroviária

É o ponto inicial da Estrada de Ferro Paranaguá – Curitiba. Obra iniciada no dia 05 de junho de 1880, na presença de imperador D. Pedro II e da Imperatriz do Brasil.
Foi inaugurada em 1885, pela Princesa Isabel. Reconhecidamente uma das maiores obras de engenharia ferroviária do mundo. Em seu trajeto para vencer a Serra do Mar e chegar ao planalto serpenteia abismos e penhascos inimagináveis. Foi concluída por Teixeira Soares, jovem engenheiro brasileiro, com apenas 33 anos de idade, depois que seu construtor, Giusepe Ferrucini, desistiu da obra no Km 45, julgando-a impossível de ser construída.

Estrada de Ferro

Possui 14 túneis escavados na rocha, 41 pontes e viadutos em dimensões colossais, utilizando estrutura metálica.
O maior vão vencido esta localizada na ponte São João, cujo comprimento é de 113m sobre o rio do mesmo nome. A ponte conta com 4 vãos, sendo que o vão médio tem altura de 58m. O Viaduto Carvalho, construído com grande tenacidade, esta a mais de 900m de altura, usando como suporte muros de ate 100m de altura fazendo uma curva de 45 graus no trecho conhecido como Curva do Diabo.
O maior túnel da Serra do Mar é o de Roça Nova, com 457m de extensão, na altitude de 955m. O magnífico panorama do contrafortes da Serra do Mar com paisagens como a cachoeira “Véu da Noiva” e o Santuário de “Nossa Senhora do Cadeado”, aliado à técnica do arrojado traçado da estrada, continuam sendo uma atração emocionante mesmo depois de um século.

Ilha do Mel

Merece destaque por ser uma Estação Ecológica do Paraná, sendo considerada uma das mais belas do país. Abriga 25 praias que proporcionam aos visitantes momentos de lazer e aventura por suas trilhas, matas, morros, mangues e ilhas próximas, além de um passeio pela história do Paraná na Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres construída em 1767 e o Farol das Conchas construído em 1872.

Paranaguá

Na década de 1550-1560, famílias de São Vicente de Cananéia deslocaram-se ao litoral paranaense. Primeiro à ilha da Cotinga e a seguir às margens do rio Itiberê. Em 1640, chegou o Capitão Provedor Gabriel de Lara, e a fidalga família com investidura de governo militar. Já em 1646 mandou erigir o Pelourinho, símbolo de poder e justiça de El-Rei.

Após dois anos, a povoação tornou-se Vila, chamando-se Vila de Nossa Senhora do Rosário de Paranaguá. Em 1660 tornou-se Capitania, passando à condição de Cidade em 05 de fevereiro de 1842. Ao ser criada a Província do Paraná, também se criou a Capitania dos Portos do Paraná, que passou a funcionar em 13 de fevereiro de 1854.

Fato marcante para Paranaguá foi a visita de D. Pedro II, em 1880, para o lançamento da pedra fundamental do início das obras da rede ferroviária Paranaguá-Curitiba. A estrada de ferro foi tão rapidamente construída que já em 02 de fevereiro de 1885 foi inaugurada e até hoje é motivo de grande orgulho da engenharia nacional.

Paranaguá foi fundada em 1570 e é a cidade mais antiga do Paraná, oferece aos visitantes gastronomia típica, artesanato, fandango, a Floresta Estadual do Palmito, além de passeios de barco pela Baía de Paranaguá e por suas principais ilhas, da Cotinga, dos Valadares e a do Mel que merece destaque por ser uma Estação Ecológica do Paraná, sendo considerada uma das mais belas do país, abriga 25 praias que proporcionam aos visitantes momentos de lazer e aventura por suas trilhas, matas, morros, mangues e ilhas próximas, além de um passeio pela história do Paraná na Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres construída em 1767 e o Farol das Conchas construído em 1872.

Distante 91 km de Curitiba.

Agências de Turismo em Guaratuba

Transportes e Viagens Acácia Ltda

Fone: 41 3443 2039 41 9118 3246
E-mail: acacia_agenciadeturismo@yahoo.com.br
http://www.acaciatur.brtdata.com.br


Hotéis e Pousadas em Guaratuba

Hotel Santa Paula
Av. Visconde do Rio Branco, 650.
A uma quadra da praia de Brejatuba, a 600 metros do Morro do Cristo e a 3km do Centro do município.
Fone: 41 3443 1299
E-mail: santapaulahotel@santapaulahotel.com.br
http://www.santapaulahotel.com.br

Atrativos Turísticos de Guaratuba

Salto do Parati – ao fundo da baía de Guaratuba, ao pé da Serra do Mar, está o Salto do Parati. Local de beleza rara, dentro da Mata Atlântica e totalmente preservada.

Cabaraquara – é um dos lugares onde se encontra a natureza em sua mais completa exuberância. Mata Atlântica, rios, mangues, montanhas, cachoeiras, e uma comunidade receptiva, que oferece várias opções de lazer. Trilhas, passeios de barco, artesanato nativo e principalmente degustação de ostras, cultivadas e servidas no local. Lagoa do Parado – localizada as margens do Rio Cubatãozinho, tem cerca de 15 km2 e abundância de peixes e caxeta – madeira leve usada para fazer tamancos, colheres de pau e lápis.

Lagoa do Parado – localizada as margens do Rio Cubatãozinho, tem cerca de 15 km2 e abundância de peixes e caxeta – madeira leve usada para fazer tamancos, colheres de pau e lápis.

Morro do Cristo

O Morro do Cristo é um mirante natural da cidade. Localizado na Praia de Brejatuba, oferece aos visitantes uma bela paisagem do Oceano Atlântico e uma visão geral de toda cidade. Em seu cume está a imagem do Cristo Redentor que tem um dos braços apontado para a cidade e outro com a mão no coração. Durante a construção do monumento, foi colocado, no coração da imagem um frasco contento água benta. O acesso é feito por uma escadaria de cimento com 190 degraus.

Igreja Matriz

Igreja secular, tombada pelo patrimônio Histórico e Artístico Nacional, construída pelos escravos.

De arquitetura religiosa colonial, apresenta uma fachada com características semelhante as demais igrejas litorâneas da época. Internamente é ornamentada por um retábulo do século passado.

A igreja possui a imagem de Nossa Senhora do Bom Sucesso, padroeira da cidade, esculpida em madeira policromada. A igreja foi restaurada logo após seu tombamento.

A construção da igreja matriz foi um acontecimento, como não devia deixar de ser, recheado de crenças e muita curiosidade dos moradores. Acredita-se que a padroeira Nossa Senhora do Bom Sucesso, tenha presidido às solenidades religiosas da criação da igreja, que foi tombada em 1938.

Mas essa igrejinha abriga uma história muito interessante. Como não havia cemitério na vila de Guaratuba, durante 86 anos a Igreja, além de reunir os fiéis, serviu como um cemitério. Como ela foi construída com recursos escassos, ficou sem forro e assoalho, e o chão de terra batida facilitava os sepultamentos no local.

Em 1931, a Igreja recebeu uma série de benfeitorias como telhado, ripas e teto. E para a restauração foram chamados reforços de outras cidades como Lapa, Paranaguá, Curitiba e Ponta Grossa, pois não se dispunha de pessoas suficientes na Vila de Guaratuba. Depois disso, a Irmandade construiu o calçamento na frente da Igreja e completou o cenário que é de tanta importância cultural para a cidade de Guaratuba.

PRAIAS

Central – praia de meia enseada, localizada no final da Avenida Atlântica.Ideal para banhistas, pois tem mar calmo. Nesta praia está o Morro do Cristo, bastante procurado pelos turistas.

Brejatuba – praia de mar aberto, com águas bastante agitadas e vegetação natural preservada. Em direção do sul após o Morro do Cristo seguem-se 14 km de praia onde cada balneário recebe uma denominação como:Estoril, Bonança, Eliana, Nereidas, Cidade Balneária, Santa Helena, Coroados e Barra do Saí divisa com Santa Catarina. A praia do Brejatuba se destaca pelos campeonatos de surf que lá são realizados no decorrer do ano, com ondas médias de oito pés, pratica-se também a pesca de arremesso.

Prainha – praia que faz divisa com o município de Matinhos, entre Caiobá e o Porto de Passagem. Praia tranqüila própria para descanso e a prática de pesca de arremesso.

Guaratuba



O Rei de Portugal D. José I, assessorado pelo Marquês de Pombal Ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino de Portugal, através de recomendação datada de 26 de janeiro de 1765, ordenou ao Capitão Geral da Capitania de São Paulo, D. Luiz Antônio de Souza Botelho Mourão, que fundasse vilas e povoados, em pontos mais convenientes que os sítios dispersos.

Através da Portaria de 5 de dezembro de 1765, D. Luiz Antônio de Souza Botelho Mourão, incumbiu seu primo Afonso Botelho de Sampaio e Souza, Tenente-Coronel das Tropas Auxiliares, para formar uma povoação na enseada de Guaratuba.

Para dar inicio à tarefa, foram selecionados 200 casais para cultivarem as terras, sendo determinado então a essas pessoas que demarcassem as terras que necessitavam, de acordo com as possibilidades de cada um.

Em 13 de maio de 1768, D. Luiz atendeu ao pedido do fundador da nova povoação, para a criação e manutenção de uma igreja, enviando então, monumentos para a nova igreja.

Cumprindo a Portaria de 20 de janeiro de 1770, do Governador Geral de São Paulo, Tenente-Coronel Afonso Botelho de Sam Payo e Souza, D. Luiz Antônio de Souza Botelho Mourão, em companhia do Ouvidor Geral da Comarca, Lourenço Maciel Azamor, do Capitão Francisco Aranha Barreto, e do Tenente Joaquim Coelho da Luz, fundou a Vila de São Luiz da Marinha de Guaratuba.

Em 29 de abril de 1771, deu-se a solenidade de fundação da vila e como primeiro ato a celebração de missa pelo pároco padre Bento Gonçalves Cordeiro, auxiliado pelos padres Frei João de Santana Flores e Francisco Borges.

No dia 30 de abril de 1771 foi levantado o Pelourinho, solenidade que culminou com uma missa, oficiada pelo pároco local, o vigário Bento Gonçalves Cordeiro. Logo após, foi realizada a eleição da primeira Câmara Municipal com aprovação do fundador da Vila e do Ouvidor Geral, ficando constituída pelo Alferes Antonio Carvalho Bueno, Juiz Manoel de Miranda Coutinho, Vereador José Martins Ferreira, o Procurador do Conselho e alcaide Gregório Francisco, e o Escrivão da Câmara Constantino José Cardoso.

Guaratuba permaneceu dirigida pelos vereadores e assistida pelo Presidente da Província até a Proclamação da República, quando passou a eleger seu primeiro Prefeito, assumindo o cargo em 1792, continuando assim até 20 de outubro de 1838, quando por força do Decreto Lei Estadual nº 7572, foi extinto o Município de Guaratuba, passando a ser apenas um Distrito de Paranaguá.

Pela Lei n° 2 de 10 de outubro de 1947, foi restaurado o Município de Guaratuba, sendo instalado oficialmente no dia 25 do mesmo ano.

A bela Baía de Guaratuba é composta por 16 rios, 14 que nascem na serra, inúmeras ilhas, mangues e vegetação típica formando uma das paisagens mais bonitas do Estado.

É a segunda maior do Paraná, com 48,72 km2 de extensão, e por ela é feito o acesso entre Matinhos e Guaratuba, pela travessia com o Ferry-Boat. A Baía de Guaratuba é própria para passeios de barco, pesca e esportes náuticos. Rica em fauna e flora, é hoje uma área de proteção ambiental. Era pela baía, o único acesso que a comunidade dispunha para chegar a “Vila”, no começo de nossa colonização. Na área a montante da baía ocorre uma agricultura intensiva através do cultivo de banana com alta tecnologia de produção.

Hotéis e Pousadas em Guaraqueçaba

Pousada Superagui

A Pousada Superaguí esta localizada a 50 m da praia em uma autêntica vila de pescadores dentro do Parque Nacional do Superagui.
Rua Principal – Ilha do Superaguí
Fone: 41 3482 7149
E-mail: dalton@pousadasuperagui.com.br
http://www.pousadasuperagui.com.br


Atrativos Turísticos de Guaraqueçaba

Reserva Natural Salto Morato

A Floresta Atlântica é uma das mais belas paisagens brasileiras e a Reserva Natural Salto Morato é um lugar onde você vai conhecê-la mais de perto, desfrutando de suas belezas naturais em um passeio onde o contato com a natureza encanta e ensina.
Criada e mantida pela Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, a Reserva é reconhecida, junto com outras unidades de conservação da região, como Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO. Protege paisagens de rara beleza, como o Salto Morato, uma queda d´água de aproximadamente 100 metros, e a Figueira do Rio do Engenho, cuja raiz forma um “portal” sobre os seis metros de largura do rio. Leia mais

Ilha do Superagüi

A ilha do Superagüi foi inscrita como Patrimônio Natural e Histórico em 1970 pela Divisão do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural do Paraná. Este processo foi contestado pela Companhia Agropastoril Litorânea do Paraná em 1984, a fim de tomar posse das ilhas das Peças e do Superagui para a criação de búfalos e de um pólo turístico. Felizmente, após análise dos acontecimentos acima, foi reconhecido, em 1985, o tombamento da ilha do Superagüi, colocando-se uma série de proibições em relação à várias atividades potencialmente danosas ao meio ambiente. Com a finalidade de garantir a proteção das ilhas de forma mais eficaz, foi criado em 1989 a unidade, formada assim pela ilha do Superagüi e pela ilha das Peças. Ao ser ampliado, em 1997, abrangeu também uma parte do continente, denominada Vale do Rio dos Patos, e as ilhas do Pinheiro e Pinheirinho. Em 1991 a região foi abrangida pela Reserva da Biosfera Vale do Ribeira-Serra da Graciosa e em 1998 foi intitulada pela UNESCO como Sítio do Patrimônio Natural da Humanidade.

As áreas que formam a unidade eram habitadas por índios Tupiniquins e/ou Carijós, na época da colonização do Brasil, os quais foram extingüidos em razão da escravidão pelos brancos ou morte por doenças trazidas durante este período. Historicamente o local passou por influências distintas: fase luso-indígena; fase de fazendas agropecuárias dos jesuítas; fase de colonização suiça e, posteriormente, transformação em colônias de pescadores. O suiço William Michaud se destacou como líder, sendo nomeado professor em 1883, e, posteriormente, Juiz de paz e Agente Postal. Quando faleceu (1902), foi enterrado na própria península de Superagüi e até hoje é famoso em razão de suas telas pintadas sobre a natureza do local. O nome da unidade é de origem tupi-guarani e significa “Rainha dos Peixes”. Leia mais

Guaraqueçaba

Guaraqueçaba em tupi-guarani significa lugar de muito guará, uma ave semelhante a uma garça de cor avermelhada, que era abundante na região. O município foi colonizado por portugueses por volta de 1545, sendo o primeiro do solo paranaense. Em 1638 Gabriel de Lara, o fundador da Capitania de Paranaguá, descobriu uma rica lavra de ouro nas encostas da Serra Negra. Revelado o achado, vieram os mineiros e os aventureiros para explorar os rios socavando o ouro de lavagem em diversos locais. Em seguida chegaram os jesuítas, que fundaram em Superagüi o primitivo núcleo populacional da região.

Foi somente no século XIX, que Cipriano Custódio de Araújo e José Fernandes Correia construíram uma capela no Morro do Quitumbê. No entorno surgiram as primeiras edificações, formando em pouco tempo o povoado, em 1854 foi elevado à Freguesia e no ano de 1880 a Município. Sendo que em 1938 foi anexado novamente à Paranaguá como Distrito. Em 1947 sua autonomia foi restaurada e o Município novamente instalado.

O município está a 174 km de Curitiba e tem acesso de barcos a partir de Paranaguá, diariamente, numa travessia de 3h.

Hotéis e Pousadas em Morretes

Pousada Cabanas do Curupira

Fone: 41 99989255
E-mail: cabanascurupira@yahoo.com.br
http://www.cabanasdocurupira.50megs.com

Pousada do Oasis

Aqui você desfruta de paz em meio a natureza.
Estrada das Prainhas
Porto de Cima
Fone: 41 3642 1888 ou 99234692
E-mail: pousadadooasis@uol.com.br
http://www.pousadadooasis.com.br


Morretes

A fundação de Morretes data de 1721, quando o Ouvidor Rafael Pires Pardinho determinou que a Câmara Municipal de Paranaguá demarcasse 300 braças em quadra local onde seria a futura povoação de Morretes, para em 31 de outubro de 1733, a mesma Câmara determinar a demarcação das terras. O primeiro morador da região foi o senhor João de Almeida.

Em meados do século XVIII mudou-se para o povoado de Morretes, o Capitão Antonio Rodrigues de Carvalho e sua mulher, dona Maria Gomes Setúbal, construindo ali uma capela sob a invocação de Nossa Senhora do Porto e Menino Deus dos Três Morretes. Pela Lei Provincial nº 16, de 1º de março de 1841, foi elevada à categoria de Município, sendo desmembrado de Antonina e instalado solenemente a 5 de julho de 1841. A 24 de maio de 1869, pela Lei Provincial nº 188, passou a denominar-se Nhundiaquara e recebeu os foros da cidade; mas em 07 de abril de 1870, pela Lei nº 227, voltou a denominar-se Morretes.