Anitápolis

Situada na região do Vale do Braço do Norte, na Grande Florianópolis, a cidade de Anitápolis é cercada por montanhas e matas.

Fundada em 29 de dezembro de 1961, tem sua economia assentada na agricultura, atividade original desenvolvida pelos colonizadores alemães e que é responsável pela subsistência de 80% da população de cerca de 3300 habitantes de origem alemã e que hoje congrega ainda as etnias portuguesa, açoriana, italiana e russa.

Com altitude de 600 m do nível do mar tem mesotérmico úmido, com ocorrência de geadas no inverno e temperaturas agradáveis no verão. As temperaturas médias ficam entre 15ºC e 25ºC.

Veja também: Rancho Queimado, Alfredo Wagner, Bom Retiro, Águas Mornas, Urubici.

Situada em uma região de topografia acidentada, formada por montanhas e florestas de difícil acesso, Anitápolis foi uma das últimas áreas da Grande Florianópolis a ser explorada. Apesar de ter sido descoberta pelos açorianos, foi somente em meados do século XX que se iniciou a colonização, por alemães e italianos. Em 1907, o governo do Estado decidiu criar um núcleo colonial na localidade, visando acolher os imigrantes recém-chegados da Europa. A cidade desmembrou-se de Santo Amaro da Imperatriz em 1961 e a falta de acessos, que retardou seu processo de colonização no início do século XX, ainda dificulta o desenvolvimento econômico local.

Anitápolis situa-se entre vales e montanhas, numa região de cenários naturais de extrema beleza. Essa topografia acidentada, que dificultou o seu povoamento no passado, é hoje justamente seu maior atrativo. Aventureiros e amantes de esportes de natureza viajam até o lugar a fim de praticar rafting, rappel de cachoeira, trilhas em meio à Mata Atlântica, jeepcross, motocross, montanhismo e passeios ecológicos. A grande diversidade de culturas e a tranqüilidade da cidade completam o quadro de atrações.

Cercada por montanhas e matas, Anitápolis tem excelente clima no verão. Torna-se ainda mais atraente por causa dos muitos rios que cortam o seu território e das inúmeras cachoeiras que descem pelos vales. Destaque para as cachoeiras dos rios Povoamento, da Prata, Maracujá, Branco e do Meio Serrinha, além das trilhas para jeepcross e motocross, especialmente em Bela Vista, Rio Perdido, Maracujá, São Domingos, Ladeia, Serrinha, Santo Antônio, Serra Garganta e Vermelho. Na Serra Geral, a 25km do centro, pode-se praticar montanhismo. A cachoeira mais conhecida da cidade é a Cachoeira da Usina, distante 500m da sede municipal, famosa por ficar próxima da antiga usina hidrelétrica. Transformada em área de lazer, a usina dispõe de lanchonete, com projeto para restaurante. Tem várias formações de piscinas naturais apropriadas para banho.

Colonizada por alemães, Anitápolis guarda na arquitetura das casas a herança cultural dos antepassados. Muitos prédios e casas são em estilo germânico. Visite especialmente as localidades de Rio Branco e Rio Alfa, onde estão as grutas de Nossa Senhora de Aparecida e de São Benedito. A Serra da Garganta, a 18km do centro, é famosa pelo Combate da Garganta, que ocorreu durante a Revolução de 1930, quando os revolucionários gaúchos, de passagem por Anitápolis rumo a Florianópolis, entrincheiraram-se na Serra, cercando as Forças Armadas vindas do sul e os soldados da Força Pública de Santa Catarina. Muitos homens morreram no local.

Hotéis e Pousadas em Nova Trento

Pousada Portal do Vígolo

Rua Luiz Busnardo, 504.
Fone: 48 3267 1871
E-mail: pousada@portaldovigolo.com.br
http://www.portaldovigolo.com.br

Pousada e Catina Italiana

Rua dos Imigrantes – CEP 88270-000 – Fone/Fax: (48) 3267-0028
http://www.pousadacantinaitaliana.com.br


Nova Trento

Segunda maior Estância Turístico Religiosa do Brasil, Nova Trento destaca-se por possuir dois santuários: o Santuário Santa Madre Paulina e o Santuário Nossa Senhora do Bom Socorro. A tradição trentino-italiana trazida pelos colonizadores revela-se no dia-a-dia da pequena cidade através dos costumes e da gastronomia típica. Em meio a uma natureza exuberante, Nova Trento é a melhor opção para quem procura o turismo religioso e o turismo ecológico.

Comemora o aniversário da cidade em 08 de agosto e a 09 de julho o dia de Santa Madre Paulina.

A agricultura ainda é a principal atividade econômica de Nova Trento com o cultivo de fumo, milho, feijão e a uva. A fabricação e a comercialização do vinho colonial neotrentino é um atrativo que leva muitos turistas para Nova Trento. O turismo religioso e o turismo ecológico tem lugar de destaque na cidade que esta sendo estruturada para receber os milhares de visitantes que chegam todos os meses.
Com cerca de 10 mil habitantes de origem italiana, a cidade está no Vale do rio Tijucas, a 80 km de Florianópolis e nas proximidades de Brusque, São João Batista, Canelinha, Tijucas.

Fundada por imigrantes italianos provenientes da Província de Trento, Itália em 1875, daí o nome Nova Trento, a cidade cultua até hoje as tradições, os costumes e o espírito religioso e empreendedor de seus antepassados. Foi emancipada no dia 08 de agosto de 1892, através da Lei Provincial nº 36 promulgada pelo presidente da província Tenente Joaquim Machado. Destacam-se como fatos culturalmente importantes para o município nesta época, a fundação da Sociedade Filarmônica Neotrentina ainda em atividade nos dias atuais e a fundação da Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, por Amábile Visentainer, hoje Santa Paulina.

Nova Trento

Nova Trento


Atrativos Turísticos de Tijucas

O maior atrativo turístico de Tijucas é o passado histórico do município. A cidade apresenta grande diversidade cultural e geográfica, com bairros de açorianos, negros e italianos.

São muitas as atrações naturais, como cachoeiras, grutas, rio e mar. Visite o Centro Cultural Harry Laus, o casario antigo e as oficinas onde eram fabricados barcos.

Visite o Salto do rio Tijucas, uma queda d’água com 80 m de altura; o Salto Encanto, com seus 30m; a Gruta da Pedra do Xandoca – com 15m de comprimento, que esconde um pequeno córrego bem no centro.

Localizada próxima a grandes centros urbanos, Tijucas tem boa infra-estrutura turística e de lazer, com restaurantes e hotéis.

Conheça o Casarão Galotti, onde viveu Benjamim Galotti. Hoje Centro Cultural de Tijucas.

Casarão Galotti em Tijucas

Casarão Galotti


Tijucas

Localizada na Grande Florianópolis, Tijucas é rica em História, diversidade cultural e belezas naturais.

Fundada em junho de 1860, tem na pesca e agricultura sua base econômica.

Tijucas tem hoje próximos de 21 mil habitantes, tendo sua base de colonização, os açorianos. Está na Grande Florianópolis, a 45km da capital, 2 m de altitude e próxima de Biguaçu, Itajaí, Florianópolis, Nova Trento e Porto Belo.

A história de Tijucas começa em 1530, com a passagem do navegador europeu Sebastião Caboto pela costa de Santa Catarina, a serviço da Espanha. O povoamento da região só se inicia de fato a partir de 1788, quando um grupo de colonizadores decidiu subir o rio Tijucas à procura de pinheiros.


São Pedro de Alcântara

Núcleo de colonização germânica mais antigo do Estado, São Pedro de Alcântara mantém a tradição de povo ordeiro e trabalhador.

Fundada em 16 de abril de 1994, conta com 3.700 habitantes de origem alemã e luso-açoriana e tem sua sustentação econômica na agricultura

Está na Grande Florianópolis, a 31km da capital, 300 m acima do nível do mar, e tem clima Mesotérmico úmido, com temperatura média entre 15ºC e 25ºC.

Fica nas proximidades de Antônio Carlos, Angelina, Florianópolis, São José, Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz e Águas Mornas.

Apesar de reconhecida como cidade apenas em 1994 e efetivamente emancipada em 1997, São Pedro de Alcântara foi a primeira colônia alemã de Santa Catarina. Fundada em 1829, a região tem muitos descendentes de alemães e de luso-açorianos, que também colonizaram o lugar.

Hotéis e Pousadas em Santo Amaro da Imperatriz

Fischer Hotel Fazenda
O Fischer Hotel Fazenda está situado no interior do município de Santo Amaro da Imperatriz, na bucólica comunidade de Braço de São João, entre vales, montanhas, belas paisagens, cercado pela natureza exuberante das matas do Parque Florestal da Serra doTabuleiro.
A Diária no Fischer Hotel Fazenda é no sistema de pensão “Super Completa”: inclui 4 refeições preparadas com aquele sabor de comida caseira, próprio da culinária da região e que são servidas em forma de buffet no restaurante do hotel.
Atenção: utilizar somente o acesso pela BR 282 pois o acesso da BR 101 está interditado.
Fone: 48 3245 5079 ou 9135 1711
E-mail: contato@fischerhotelfazenda.com.br
http://www.fischerhotelfazenda.com.br

Plaza Hotéis Caldas da Imperatriz
http://www.plazahoteis.com.br/caldasimperatriz/br/

Hotel Caldas da Imperatriz
Localizado na cidade de Santo Amaro da Imperatriz – SC, o Hotel Caldas da Imperatriz é um patrimônio histórico que vem sendo preservado a mais de 150 anos. Sua história inicia quando o Rei João VI baixou um decreto em 18 de março de 1818, determinando a construção de um hospital, o que é considerado a primeira lei de criação de uma Estância Termal no Brasil
http://www.hotelcaldas.com.br

Santo Amaro da Imperatriz

Conhecida como o Verde Vale das Termas, Santo Amaro da Imperatriz é a primeira estância hidromineral do País. Rica em natureza, cenários, paisagens…

Fundada em 10 de julho de 1958, tem hoje 17.000 habitantes de origem alemã e açoriana.

Sua economia é baseada no turismo de saúde, em função de suas águas termais. Também se destaca a cultura do milho, do tomate e da batata.

Está na Grande Florianópolis, a 30km da capital e 18m acima do nível do mar. Seu clima é temperado, com temperatura média entre 15ºC e 25ºC.

Está nas proximidades de Paulo Lopes, Palhoça, Florianópolis, Águas Mornas, São Pedro de Alcântara, São José, São Bonifácio

A colonização de Santo Amaro da Imperatriz está ligada à descoberta da fonte de águas termais, por caçadores, em 1813. O Governo Imperial destacou então um contingente policial para guarda do local, já que a região era habitada por índios hostis. Em 18 de março de 1818, o rei Dom João VI determinou a construção de um hospital – foi a primeira lei de criação de uma estância termal no Brasil. Em outubro de 1845, Santo Amaro da Imperatriz recebeu a visita do casal imperial Dom Pedro II e Dona Teresa Cristina, que mandou construir um prédio com quartos e banheiras para os visitantes em busca de alívio para suas dores. Em homenagem à Imperatriz, a localidade, nos arredores da cidade – que se chamava Caldas do Cubatão, foi rebatizada como Caldas da Imperatriz

Praia do Sonho

A primeira característica interessante da Praia do Sonho é a de ter duas frentes ao mar: uma para a enseada da Pinheira e a outra para a baía sul, entre o continente e a Ilha de Santa Catarina.

A Praia do Sonho está a 35 Km do centro de Palhoça, município a que pertence, e dela se podem avistar a Ilha de Santa Catarina – com alguns bairros de Florianópolis; a Ilhota de Araçatuba, onde está a Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição e as Ilhas Três Irmãs.

Passeios para alcançar as ilhas podem ser contratados com barcos de pescadores na praia. Outra opção de laser na Praia do Sonho fica por conta da pescaria em suas águas tranqüilas no lado da Baía Sul. E ainda temos o Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, além de esportes náutivos.

A Praia do Sonho fica a 45 Km de Florianópolis pela BR101, sentido sul, e a pequena distância da BR-101. Está próxima da Praia da Pinheira e Guarda do Embaú.
A Praia do Sonho é a única praia com duas frentes para o mar (norte e leste), com opção de banhos em águas calmas e mar groso, distante 34km do centro de Palhoça, preferida por aqueles que procuram paz e sossego.

Da Praia do Sonho é possível avistar a ilhota de Araçatuba – onde fica a Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição de Araçatuba e as Ilhas Três Irmãs.
Para fazer um passeio até as ilhas os pescadores da região alugam os barcos.

Praia da Pinheira

Localizada na Região da Grande Florianópolis, município de Palhoça, 50 Km ao sul da capital, 45 ao norte de Garopaba e 430 de Porto Alegre, a Praia da Pinheira é um paraíso. Sua natureza ainda está bastante preservada e isto deve permanecer pois a Pinheira está no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, área ambiental protegida por lei. A Praia está no município de Palhoça.

Windsurf, remo, vela, jetski e ski aquático são algumas das opções de laser na Pinheira. Para o surf há ótimas ondas na Prainha e na Guarda do Embaú. Opções ainda de mergulho nos costões da Ponta da Pinheira e do Papagaio. Caminhadas no morro da Pinheira e diversas outras alternativas.

A vila conta com cerca de 5 mil habitantes de origem açoriana que se ocupam da pesca e do comércio. Hoje há no local uma estrutura de apoio ao turista bastante boa e ainda há opções nas praias próximas, do Sonho e Guarda do Embaú.

A Praia da Pinheira é uma das praias mais freqüentada de Palhoça, recebendo grande fluxo de turistas de outros estados.

É dividida em duas praias: Praia de Baixo e Praia de Cima, situadas em oposição uma a outra.

Hoje a Praia da Pinheira não é só um povoado com pescadores de tradição açoriana, lojas, farmácias, padarias e pousadas provam que o desenvolvimento chegou ali, porém o progresso não apagou as marcas que caracterizam a praia: os ranchos dos pescadores e a paz da convivência entre os visitantes e nativos.
Praia de Cima – Praia do Engenho, Praia das Cabras ou Praia de Cima, são alguns dos nomes dessa pequena, mas bela baía de águas limpas, que se completa com a ponta das andorinhas e o costão da Praia de Baixo.

A Praia de Cima é uma das poucas praias do município que além de sua rara beleza, é protegida do vento sul pela sua posição geográfica.

Guarda do Embaú

A Guarda do Embaú está no município de Palhoça, distante 50 Km de Florianópolis. Era uma vila de pescadores situada nas margens do Rio da Madre em seu encontro com o Mar. Hoje o Turismo, principalmente no verão, domina a economia local.

A praia oferece opções de laser no mar – que é excelente para o surf e no rio – onde se podem aproveitar o caiaque e passeios de barco, que são oferecidos no local.

Está próxima a Praia da Pinheira, da Gamboa e do Sonho e nos domínios da Reserva Natural da Serra do Tabuleiro.

Classificada por uma famosa revista como uma das 10 melhores praias do mundo para a prática do surf, a Guarda faz jus ao título: é o paraíso dos surfistas que a escolheram para ser um dos pontos mais fervilhantes do litoral.

A Guarda é uma pequena vila de pescadores, descoberta na década de 70 pelos hippies e pelos surfistas da época, que corriam atrás de boas ondas.
Na Guarda desemboca o Rio da Madre e para chegar até a areia, à beira mar, é preciso atravessar o rio a nado ou numa canoa de pescador.
Pedra do Urubu: uma das grandes atrações da Guarda. Subir na Pedra do Urubu, localizada no morro do canto norte, é um passeio que vale muito a pena, lá de cima o visual da praia da Guarda, Pinheira, Sonho, Gamboa e Garopaba.

Atrativos Turísticos de Palhoça

Palhoça, para os desavisados da própria região, tem prais, altas elevações, reserva ambiental, ilhas e o que mais o turista possa querer para seu lazer e diversão.

Principais praias de Palhoça e suas distâncias

Praia do Tomé
07 km
Praia do Pontal
10 km
Praia de Fora
14 km
Enseada de Brito
17 km
Praia do Sonho
24 km
Praia da Pinheira
35 km
Praia Ponta dos Papagaios
25 km
Guarda do Embaú
36 km
Pedras Altas
18 km
Praia João Vieira
13 km

Palhoça está localizada numa região de cidades com grandes atrativos turísticos.

Veja as distâncias para quem vai à Palhoça:

Balneário Camboriú
80 km
Blumenau
140 km
Joinville
180 km
Lages
200 km
Curitiba
280 km
Porto Alegre
400 km
São Paulo
750 km
Rio de Janeiro
1.050 km

Palhoça

As praias da Pinheira e do Sonho, a Guarda do Embaú, a Enseada do Brito e o Parque da Serra do Tabuleiro são apenas alguns dos atrativos dessa tímida e bela cidade, miscelânea de costumes, festas e etnias.

É na agricultura e pesca. A cidade é grande produtora de mariscos, ostras e camarões, além de ser um dos maiores pólos de criação de escargots do Brasil. Destaca-se também a produção moveleira e o intenso comércio.

Com 102 mil habitantes com origem açoriana, clima temperado, com temperaturas médias entre 18ºC e 27ºC, Palhoça est[a situada na Grande Florianópolis.

Cidades próximas: Florianópolis, Tijucas, Antônio Carlos, São José, Biguaçu, Santo Amaro da Imperatriz, Águas Mornas, Rancho Queimado, Angelina.

Palhoça foi fundada em 1793 e elevada a município em abril de 1894. Colonizada inicialmente por portugueses, que se fixaram na Enseada do Brito, recebeu também diversas levas de imigrantes alemães, africanos e italianos. A partir dos anos 1970, quando 69% da população ainda moravam no campo e o município dependia da produção primária, a cidade passou a se desenvolver e transformou-se num importante pólo comercial e industrial. Mas ainda preserva suas tradições e folclore, em manifestações como o Boi-de-Mamão, a dança do Pau-de-Fitas, o Terno de Reis e o Pão-por-Deus.

São José

O patrimônio histórico fica no centro da cidade, mas é no bairro Kobrasol que está a efervescência do município vizinho à Capital.

Fundada em 1° de março de 1833, conta hoje com 173 mil habitantes de origem Açoriana, e sua economia está apoiada na Indústria e comércio. Grande parte do parque industrial de São José situa-se às margens da BR-101.

Está na região da Grande Florianópolis, às margens da BR-101 e, por vezes, se confunde com a capital, com a qual faz divisa.

Cidades próximas: Florianópolis, Biguaçu, Palhoça, São Pedro de Alcântara, Santo Amaro da Imperatriz, Antônio Carlos.

São José foi a quarta localidade fundada em Santa Catarina. Foi colonizada por 180 casais de açorianos, que chegaram em 19 de março de 1750, oriundos das ilhas de São Miguel e São Jorge, nos Açores. Graças a seu rápido desenvolvimento, em 1756 foi elevada à categoria de freguesia. Importante centro de comércio, a localidade foi emancipada em 04 de maio de 1833. No ano de 1845, quando recebeu a visita do Imperador Dom Pedro II e de Dona Thereza Cristina – que estavam a caminho de Caldas do Cubatão, hoje Caldas da Imperatriz –, São José já possuía 21.000 habitantes.

Biguaçú

De tímida colônia agrícola a importante pólo industrial da Grande Florianópolis, Biguaçu guarda a História, a cultura e as tradições dos antepassados, além de belezas naturais e muito charme à beira-mar.

Com data de fundção a 17 de maio de 1833, 40 mil habitantes de origem açoriana, clima temperado quente, Biguaçu tem sua economia baseada principalmente na indústria e no comércio.

Está nas proximidades de Antônio Carlos, Tijucas, São José, Florianópolis.

Embora a cidade de Biguaçu tenha sido fundada oficialmente em 1833, sua História começa bem antes, em 1747, com a vinda dos portugueses açorianos e a fundação do povoado de São Miguel, antiga sede do município. Pequena cidade agrícola até a década de 1970, a Biguaçu transformou-se hoje em importante pólo industrial e comercial da Grande Florianópolis.