Quatro Barras

Situada a 31 Km da Capital Curitiba, está imersa numa regiaão de Proteção Ambiental. Detentora de belezas naturais e áreas que protegem os mananciais e a exuberante Mata Atlântica. Quatro Barras localiza-se na região Leste do Estado do Paraná, Sul do Brasil, pertencendo à Região Metropolitana de Curitiba.

Quatro Barras tem cerca de 16,2 mil habitantes, clima subtropical com méias entre 18 e 22ºC.

Formada por grupos étnicos diversos, com predominância de Italianos, Portugueses, Poloneses e Alemães e mais recentemente de sulistas e nordestinos.

Morro do Anhangava – com vista exuberante, favorece a prática de montanhismo. Lugar de expressão de devoção religiosa com a Missa de 1º de Maio.

Estrada da Graciosa – importante marco da engenharia nacional, passagem dos colonizadores entre o planalto e o litoral.

Caminho do Itupava

O caminho do Itupava foi aberto pelos portugueses, no início da colonização paranaense, para que pudessem transpor a Serra do Mar, a partir do litoral até as áreas dos primórdios do povoamento de Curitiba. Parte deste caminho está localizado em Quatro Barras, mais especificamente no distrito de Borda do Campo e tem seu percurso transversal ao divisor de águas da Serra da Baitaca.

Sabe-se também, através de referências históricas, que os jesuítas estiveram presentes nesta região e certamente utilizavam o caminho do Itupava. No atual distrito de Borda do Campo chegaram a possuir grandes áreas de terras, constatadas em citações quando tratou-se sobre as expulsões dos jesuítas do Brasil. As expulsões ocorreram por meio de um decreto editado no ano de 1759. Os bens da Companhia dos Jesuítas foram confiscados no ano de 1761. O início do processo de seqüestro de bens em Paranaguá, sede regional da Companhia, só ocorre mesmo, no começo de 1760.

Atualmente o Caminho do Itupava é bastante procurado para realização de caminhadas, sendo na maioria, utilizado pelo público jovem. As caminhadas são motivadas pela prática de esporte e lazer. O caminho oferece acessos para a Casa do Ipiranga, a Estação Férrea Véu da Noiva, o Parque Estadual do Marumbi e, para quem estiver mais apto à aventura, também poderá chegar à cidade de Morretes.

Parte do Caminho do Itupava é pavimentada com pedra irregular, numa faixa estreita e extensa, mantida na sua forma original. Parte de sua pavimentação original foi danificada através do processo natural de erosão que ocorreu ao longo do tempo e parte foi destruída pela ação antrópica, principalmente através da atividade mineradora da rocha granítica. O revestimento do Caminho, com pedras, é atribuído ao trabalho realizado pelos jesuítas. Este caminho corta o complexo da Serra do Mar e, no território de Quatro Barras, transpõe basicamente a Serra da Baitaca.

É possível presenciar, ao longo deste Caminho, florestas em regeneração(faixa de maior expressão), muito pouco de floresta primária e, inclusive áreas de campos não nativos e capoeiras.

Deixe uma resposta