Ibirama

Rios com ótimas corredeiras para praticar o rafting, cultura indígena e alemã, fábrica de brinquedos educativos de madeira, trilhas ecológicas, paisagens exuberantes e hospedagem com atendimento personalizado.

Ibirama, cidade de 15 mil habitantes no Alto Vale do Itajaí, a 70 Km de Blumenau e 200 Km de Florianópolis, teve sua colonização feita por alemães.

A colonização de Ibirama começou em 08 de dezembro de 1897, com a chegada da primeira leva de imigrantes alemães. A ocupação do território ficou a cargo da Sociedade Colonizadora Hanseática, criada na Alemanha para supervisionar as migrações para o Brasil.

Uma expedição chefiada pelo diretor da Sociedade, Alfred Sellin, fundou a sede da colônia, que foi batizada Hamônia. A emancipação da colônia ocorreu em 11 de março de 1934. O nome foi trocado para Dalbérgia.
Em 1943, trocou de nome novamente e passou a chamar-se Ibirama, que na linguagem indígena significa Terra da Fartura.

Ibirama já teve a base de sua economia na extração vegetal e na agropecuária de subsistência. Considerada por muitos como a Suíça Catarinense, atualmente trabalha para atrair novos investimentos. Em 1997, ao completar 100 anos, Ibirama ergueu o Monumento ao Centenário, em homenagem às pessoas que ajudaram a construir a cidade. Nele estão esculpidas as figuras do índio, do imigrante desbravador, do agricultor e do operário.

Ibirama foi sede da primeira reserva indígena do País – a reserva de Duque de Caxias, que inclui hoje os municípios de José Boiteux e Victor Meirelles, abrigando 1.300 índios das etnias kaingang, xokleng e guarani – e é sede da maior fábrica de brinquedos do Estado, a Saxônia, fundada em 1949 e que produz 45.000 peças mensais.

Deixe uma resposta