Gamboa

Localizada a 61 Km de Florianópolis para o sul e a 15 Km do centro de Garopaba para o Norte, a Praia da Gamboa nos dá o prazer da distância da agitação dos centros urbanos por seu aspecto agreste de área rural à beira mar. Local privilegiado por diversas belezas naturais: o mar, dunas, morros e seu rico ecossistema.

Parte da localidade foi incluída no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, o que modificou seu desenvolvimento, permitindo ao local manter-se encantador.

A região conta com uma pequena população (cerca de 500 moradores fixos) e mais os veranistas que aí tem suas casas. A economia do local se apóia no turismo no verão e na pesca em junho e julho.

Baleias: no período de junho a novembro anualmente, as Baleias Franca visitam o litoral sul do Brasil. Elas encontram refúgio na região entre Florianópolis e Torres no Rio Grande do Sul. Elas procuram esta região em busca de águas com temperaturas mais apropriadas, para procriar e amamentar os seus filhotes.

Entre junho e setembro é mais fácil avistá-las com seus filhotes em certos locais, pois costumam permanecer alguns dias numa mesma região. É um espetáculo muito bonito e que pode, na Gamboa, ser apreciado de terra pela proximidade que elas chegam.

Partindo do centro de Garopaba para o Norte, uma estrada de chão – como se na colônia estivéssemos, revela cenários que incluem vales, dunas, rios e um mar com um azul cativante. Atrai pessoas que querem desfrutar de sossego em um local calmo e tranqüilo. O mar na Gamboa oferece boas condições para as práticas do Surf e do mergulho, além do local atrair pelo sossego que proporciona aos seus visitantes.

Dizem seus admiradores que a Natureza foi caprichada na Gamboa. Aos adéptos da caminhada, a Gamboa oferece tudo de bom. Inclusive porque caminhar é necessário para se conhecer a região e seus arredores. Para os caminhantes trilheiros, há boas opções.
Além do aspecto rural da Gamboa e de suas diversas belezas naturais:mar, dunas e morros, a região apresenta fauna e flora singular que compõem seu ecossistema.

Segundo moradores da região, há cerca de 50 anos atrás as atividades predominantes na região eram basicamente a pesca e a lavoura com a produção de farinha, açúcar, feijão, milho e amendoim. Também se destacavam algumas criações de gado. O transporte destes produtos era feito através de carros de boi até o Rio da Madre, de onde seguia de barco até a Guarda do Embaú, que novamente sobre carro de boi, prosseguia no trajeto até a Praia da Pinheira, e de lá, a mercadoria era enviada de barco à Florianópolis para então ser distribuída e comercializada.
A partir de 1966, no mandato do governador Ivo Silveira, é que foi aberta a estrada geral de acesso para a praia da Gamboa. Juntamente com a chegada da luz elétrica veio também o crescimento. Com acesso e energia, vieram os primeiros turistas na região que se deslumbravam ao presenciar tantas belezas em um só lugar. E na década de 80, com o aumento do fluxo de turistas, é que foram construídos os primeiros meios de hospedagem passando a Gamboa a direcionar suas atenções para o turismo. Daí o crescimento da região foi acelerado e quase se perderam as qualidades naturais do lugar, pela devastação rotineira que ocorre em áreas turísticas não controladas. Isto não ocorreu na Gamboa.
Um grande marco para esta localidade foi a inclusão de parte da região no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, abrangendo assim parte da praia da Gamboa. No entanto apenas em 2002, o Ministério Público passou a proibir a construção e a ligação de energia elétrica dentro e no entorno do Parque, bloqueando totalmente o crescimento daquela região, que seguia de forma desordenada.
Hoje a Gamboa conta com uma população em torno de 493 moradores, chegando próximo de 600 residências contando com as de veranistas. Com a criação do Parque está sendo mantida de forma sustentável a atividade turística, que hoje é a principal fonte de renda dos moradores da Gamboa.
A cultura da Gamboa inclui o artesanato: técnicas de transformação de materiais reciclados em arte, pintura, teares e obras em argila. è ponto alto da cultura regional a pesca da tainha nos meses de junho e julho, ocasião em que os moradores se reunem para buscar seu sustento. Na época da tainha, em que elas migram para desovar em águas mais quentes do litoral, é também suspensa a prática do surf na Gamboa.

Deixe uma resposta